XV Assembleia Diocesana de Pastoral e Evangelização

“Sentir com Cristo e a Igreja”. O lema episcopal de nosso Bispo, Dom Carmo João Rhoden, sintetiza em muito a sensibilidade que o Espírito Santo tem despertado em toda a Igreja, e por isso também, nesta Diocese. Esta sensibilidade consiste em ‘olhar’ para Cristo e ‘olhar’ para a Igreja, os passos que antecedem, que criam condiçõespara uma sadia forma de compreender o mundo, ver-se nele, e assim atuar, ser protagonista.

Também o lema tomado para a XV Assembleia Diocesana de Evangelização e Pastoral, “Por causa de tuas palavras lançarei as redes” (Lc 5,5), dão conta de expressar estes movimentos fundamentais do ser cristão. Partir de Cristo é deixar-se interpelar por sua Palavra, atentos a Ele mesmo, para a realização do seu querer, que não é senão “que todos tenham vida e vida em plenitude”(Jo 10, 10).

Foi em função desse imperativo cristão, que no dia 11 de maio, sua Excelência Reverendíssima Dom Carmo João Rhoden, o Coordenador Diocesano de Pastoral Padre Leandro Alves e o clero diocesano, assim como coordenadores e líderes de comunidades, reuniram-se no Seminário Diocesano de Teologia Cura D’Ars, para alimentar a identidade própria do ser cristão, ser ‘discípulos e missionários’ – com a expressiva contribuição do Pe. José Adalberto Vanzella e Pe. Osmar Cavaca. Na ocasião, tratou-se de refletir as linhas gerais pela qual a fé e a caridade com que impregnam os discípulos desta Igreja particular, buscarão consolidar com a graça de Deus o projeto que é de Cristo e da Igreja, de cada cristão missionário: a construção do Reino.

O caminho não poderia ser avesso ao de Cristo Mestre.Donde a necessidade de partir de Cristo, de seus princípios, de suas opções, como afirmou Pe. Osmar Cavaca.O que no contexto pastoral poderia ser compreendido pela luz das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora (DGAE), pela preferencia pelas urgências da ação pastoral, que são cinco. A constar; 1- Igreja em estado permanente de missão, 2- como casa da iniciação à vida cristã, 3- como lugar de animação bíblica da vida e da pastoral, 4- como comunidade de comunidades, 5 – a serviço da vida plena de todos. É a partir destas urgências que os participantes da Assembleia discorreram sobre as perspectivas de ação cabíveis nesta Diocese, nas paróquias nela existentes, e nas pastorais e movimentos que nela presentes.

Em breve, teremos em mãos a redação das Diretrizes da Ação Pastoral e Evangelização frutos desta Assembleia. Enquanto esperamos, seria interessante ‘visitar’ ou ‘revisitar’ as “Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (2011-2015) e o “Documento de Aparecida”, que são as bases de toda a ação da Igreja no Brasil atualmente. Mas, como bem exortou Sua Excelência Reverendíssima Dom Carmo:“Sei, e muito bem, que não bastam, apenas, bons planejamentos pastorais.Estes são, certamente, um pressuposto indiscutível, porém, o que conta mesmo é o que estamos dispostos a assumir nas paróquias e comunidades de ora em diante, a partir do espírito de comunhão e participação, inspirador de nossa ação eclesial”. Devemos alimentar sempre mais nossa “fé-amor-esperança”, virtudes teologais que nos unem a Deus, que nos pede, como aos primeiros discípulos, para lançar as redes mais uma vez.

O grande legado decorrente desta Assembleia Diocesana se realiza, além das pistas de ação, na consciência crescente e revitalizada de que a ação da Igreja, uma vez atenta a Palavra de Cristo, há de colher os seus frutos em tempo próprio. Consciência de que os desafios próprios desta ‘época de mudanças e mudança de época’ não se enfrentam sozinhos. Assim, este artigo se encerra ecoando as palavras de Dom Carmo ao concluir as atividades da Assembleia, que uma vez dita por Cristo não perde-se no tempo, que não cessa ao desligaros sons dos microfones. Éa fé e a experiência feita pelos verdadeiros discípulos e missionários. A da fidelidade que decorre da promessa de Jesus. “Não tenhais medo, eu estou convosco”! (cf. Mt 28, 19-20).

Comente