Panamá, capital da juventude do mundo

Na Missa de abertura da JMJ, o arcebispo do Panamá Dom Domingos Ulloa recordou que aqui foi fundada a primeira Diocese em terra firme e afirmou que nenhum pobre ou pequenino “deve ter medo de sonhar grandes coisas”, pois este “pequenino país” conseguiu realizar o grande sonho desta Jornada Mundial da Juventude”.

Jackson Erpen e Sofia Lobos – Cidade do Panamá

No final da tarde desta terça-feira, 22, uma Missa presidida pelo arcebispo do Panamá Dom José Domingo Ulloa Mendieta abriu oficialmente a Jornada Mundial da Juventude 2019. Realizada na “Cinta Costera” da capital panamenha – espaço que acolherá a maior parte dos eventos – foi o primeiro momento de grande encontro dos tantos jovens de todas as partes do mundo presentes no Panamá.

Tendo como fundo os arranha-céus que caracterizam a capital panamenha e ao lado o Oceano Pacífico, o colorido das bandeiras no entardecer e os rostos jovens de todas as cores deram um toque especial ao evento. Grupos musicais no palco com 8 metros de altura, capaz de acolher 2.400 pessoas, animaram a espera do início da celebração. Já a Missa foi animada por um grande coral, com diversos rostos representando as diversas etnias que formam o povo panamenho.

Maria, exemplo de alegria e coragem

O arcebispo do Panamá começou a sua homilia com um agradecimento. “Apesar de todas as dificuldades do caminho, vocês quiseram se juntar a esta JMJ. Nossa Mãe hoje nos recebe com o coração e os braços abertos. Obrigado por aceitarem o convite para vir a este pequeno país onde a fé chegou pelas mãos da Virgem e por meio da intercessão de Santa María La Antigua. Nós somos a primeira diocese em terra firme continental e daqui, em 9 de setembro de 1513, o Evangelho foi levado ao resto do continente, graças a ela”.

“Nós deixamos de ser jovens somente quando deixamos de sonhar”, continuou o Bispo Ulloa, enfatizando que Maria é quem dá as chaves para encontrar o caminho da verdade:

“Ela foi proposta pelo Papa como modelo de alegria e coragem. Ela estava disponível para cumprir o plano de Deus, daí o lema desta JMJ: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra”.

Obrigado ao Papa por nos dar esta oportunidade

O prelado agradeceu também ao Pontífice por “nos dar a oportunidade de fazer uma JMJ para os jovens das periferias existenciais. Especialmente a juventude indígena, e aqueles que são forçados a migrar. Também os que sofrem as consequências da delinquência, a falta de recursos , a violência e tantos outros males”, disse o cardeal, enviando uma mensagem de esperança para todos:

“Estamos seguros de que os verdadeiros protagonistas para as mudanças e as transformações que a humanidade e a Igreja esperam são vocês. O futuro está em suas mãos, em suas capacidades e em sua visão de um mundo melhor”.

Panamá: capital da juventude do mundo

No final da celebração eucarística, Dom Ulloa recordou aos peregrinos que no Panamá eles encontrarão “um pedacinho do mundo inteiro”.

“Estamos felizes em ser um ponto de encontro e unidade na diversidade. Obrigado pela sua presença, este país é hoje a capital da juventude do mundo. Não tenham medo de compartilhar seus sonhos, porque com a força do Espírito Santo se pode fazer a revolução do amor, que não é fácil, mas é possível com a ajuda de Maria” concluiu, reiterando que depois desta JMJ, ”nenhum pobre, e nenhum pequenino deve ter medo de sonhar grandes coisas, como o pequenino país do Panamá conseguiu realizar o grande sonho desta Jornada Mundial da Juventude “.

Fonte: Vatican News

Foto: Vatican Media