Diocese de Taubaté reflete sobre comunicação

diocese-de-taubate-pascom1

Evangelizar num mundo altamente comunicativo

Cada época possui seus modos próprios de comunicação.

Alguns desses modos perduram e se sustentam, apesar das diferenças culturais entre as sociedades, como as comunicações orais e escritas e os códigos de sinais.

Se os modos sofrem menos variação com o passar do tempo, todavia, os meios pelos quais essas comunicações se operam têm passado por drásticas transformações, especialmente nas últimas décadas.

Se o advento da página impressa, graças à prensa e aos tipos móveis de Johannes Gutemberg (séc. XV), provocou uma nova era na divulgação de ideias, o surgimento dos computadores compactos e pessoais e a invenção da internet abriram um novo horizonte na esfera das comunicações.

A Igreja, por sua vez, movida pelo desejo de evangelizar e motivada por cristãos atentos ao seu tempo e, inclusive, alguns dos quais visionários, sempre procurou se adaptar às melhores formas para que a Palavra de Deus fosse acessível e compreensível pelo máximo número de pessoas.

Não seria diferente hoje (cf. o artigo temático, na página 09). Mergulhada num contexto de redes sociais, sites, aplicativos, transmissões ao vivo etc., a Igreja se vê interpelada a descobrir as melhores maneiras e os mais adequados recursos para que Deus seja conhecido e, assim, torne-se uma fonte de Vida para a humanidade.

Se, antes, ela tinha o privilégio de ser uma voz ouvida por muitas pessoas, quer por seu prestígio social, quer por ser uma das vozes mais hegemônicas da sociedade pré internet, hoje ela é uma voz ladeada por uma multidão de outras vozes.

Se quiser ser ouvida, precisa expor-se nos novos espaços de comunicação, sobretudo nos espaços virtuais, e atuar neles com perícia e conteúdo.

Dando os primeiros passos

As Igrejas locais, cada uma a sua forma e dentro de suas possibilidades, sempre se utilizaram de meios para que o anúncio do Reino chegasse a um grande número de pessoas.

Na Diocese de Taubaté, há mais de cem anos existe este jornal “O Lábaro”, criado e vivamente incentivado pelo primeiro bispo diocesano, dom Epaminondas Nunes de Ávila e Silva, pastor cheio de ardor apostólico um homem de visão para seu tempo.

Hoje, a Diocese conta, além do jornal, com um site e uma página no Facebook.

Em nível de paróquias, há uma diversa gama de meios de comunicação social utilizados: Facebook e sites são os mais comuns, seguidos do SnapChat, do Instagram, canais no YouTube e algumas publicações impressas.

Esses dados, e alguns outros, foram levantados numa reunião realizada no dia primeiro de julho, sábado, nas dependências do Colégio Diocesano Padre Anchieta.

Com a presença de 15 paróquias e alguns representantes de frentes de comunicação católica (das redes sociais da Diocese de Taubaté e do site autônomo Taubaté Católico), o encontro foi uma primeira iniciativa para agregar e animar aqueles que atuam com as redes de comunicação nas comunidades e dentro do âmbito diocesano.

Na ocasião, os presentes puderam partilhar sobre as atividades que desenvolvem enquanto colaboradores da comunicação do Evangelho nas suas paróquias e trocar ideias sobre essa missão pastoral tão importante atualmente, que é a Pastoral da Comunicação.

Os trabalhos estão apenas começando

Boas perspectivas despontam para um futuro a médio e longo prazo.

Após a reunião de primeiro de julho, algumas linhas de trabalho começaram a ser delineadas.

Em primeiro lugar, o estabelecimento de um calendário para o segundo semestre deste ano, bem como o início de confecção de um cronograma para o ano de 2018.

A ideia é garantir formação pastoral, espiritual e técnica para os que já atuam com comunicação nas paróquias, assim como formar novos agentes de PASCOM para essas paróquias e as que ainda não possuem algum tipo de trabalho nessa linha.

Uma Pastoral da Comunicação não é apenas um nome bonito para uma atividade corriqueira. Antes, porém, é uma atividade eclesial de grande peso, é uma forma de servir à salvação dos homens por meio da Igreja, para a glória de Deus e a edificação do Reino na história.

Para isso, requer uma visão cristã e comunitária (pastoral), uma espiritualidade própria e algumas habilidades mínimas e técnicas em comunicação.

Por isso, a necessidade das formações sistemáticas e frequentes, que estão em fase de planejamento.

Além disso, a PASCOM diocesana pretende ser um instrumento para que as pastorais e movimentos diocesanos possam divulgar seus eventos, noticiar seus fatos e, especialmente, evangelizar a partir daquilo que lhes é próprio: a família, para a pastoral familiar; os adolescentes e os jovens, para os grupos que com eles lidam; os catequizandos, para a catequese etc.

Os interessados na área podem procurar maiores informações no site da Diocese de Taubaté (www.diocesedetaubate.org.br).

Às paróquias que já possuem PASCOM ou desejam iniciar uma, podem enviar seus agentes para a próxima reunião:

Data: 19/08, sábado.
Hora: das 14h às 17h.
Local: Colégio Anchieta, Av. Granadeiro Guimarães, 122 – Centro,
Taubaté – SP, 12020-130.
Observações: levar caderno e caneta para anotações; levar um lanche para partilha ao final do encontro.
Informações pelo Secretariado Diocesano de Pastoral: (12) 3632.2855
Atenção: Confirmar presença até do dia 17 de agosto, através do secretariado diocesano de pastoral (secretariadotaubate@hotmail.com)

Pe Marcelo Henrique
Fotos: Seminarista Douglas Sloboda
Fonte: Jornal O Lábaro edição de julho/2017